Transtornos de aprendizagem

Transtornos de aprendizagem

Cada vez mais, crianças e adolescentes são diagnosticadas com algum transtorno de aprendizagem. Mas, o problema está na criança ou os ambientes ao redor não utilizam metodologias apropriadas para desenvolver o potencial dela?

Quando pensamos em educação, um dos grandes objetivos da família e da escola é desenvolver o potencial da aprendizagem da criança de forma plena e tranquila. Porém, muitas vezes, com o ingresso na escola surgem dificuldades que começam a ser observadas pelos pais ou são apontadas pelos professores e nos fazem questionar as condições que envolvem a aprendizagem.

Afinal, o problema está na criança ou a escola não consegue utilizar metodologias apropriadas para desenvolver seu potencial? Essa não é uma pergunta fácil de ser respondida, e é essencial conhecer e observar a criança em diversos ambientes e situações para chegar a uma conclusão que permita à escola, aos pais e a possíveis profissionais envolvidos em seu atendimento desenvolver o potencial necessário para que a aprendizagem possa se regularizar.

O diagnóstico envolvendo a aprendizagem, ao contrário de outros na área de saúde, sofre interferência constante do ambiente. Isso pode provocar a sobreposição de sintomas e dificultar a implementação de processos de intervenção efetivos. Não basta ter uma queixa de dificuldade de aprendizagem para saber qual é o problema. É preciso investigar a sua estrutura pedagógica da escola e a participação do aluno no contexto escolar; a estrutura familiar e se ela permite à criança cumprir o processo de ensino-aprendizagem, incluindo em sua rotina momentos propícios ao estudo e à reflexão escolar; e, é claro, do potencial cognitivo e emocional dela.

Quando consideramos a interface ambiente-cérebro (nos aspectos cognitivos e emocionais) resultando na aprendizagem, encontramos diversos estudos que confirmam essas inter-relações. A leitura, a escrita e a aprendizagem do cálculo matemático não dependem somente de aspectos desenvolvimentais. São invenções sociais e culturais que dependem do cérebro, porém, é fundamental que existam condições ambientais e emocionais para que ocorra uma aprendizagem efetiva e coerente. É necessário que a escola propicie, por exemplo, condições para a aquisição das habilidades necessárias para a aprendizagem de forma sequencial e coerente. Assim, para a aprendizagem da leitura e da escrita é necessário o reconhecimento das letras e a conversão grafo-fonêmica; no caso das habilidades matemáticas, é importante que a criança encontre com ambientes que propiciem a organização do raciocínio matemático e das noções de quantidade para que as quatro operações básicas se estabeleçam.

Os pais também devem providenciar um suporte de situações estratégicas e de vida real que permitam a criança vivenciar a utilização desses conceitos. A necessidade dessas aquisições deve ser enfatizada por meio da leitura de livros, da construção de imagens mentais, de brincadeiras envolvendo conceitos (rimas, aliteração, cálculos) e do fortalecimento social e emocional que as pessoas adquirem quando têm essas informações.

Autores como Ciasca, Zorzi e Capellini, e Pantano e Zorzi, que estudam e atuam na área de educação, consideram as alterações do processo de ensino-aprendizagem por meio dos seguintes critérios diagnósticos:

– Dificuldades ou problemas de aprendizagem: falhas decorrentes de condições ambientais inadequadas ou falhas pedagógicas; alterações entre as modalidades de ensino e de aprendizagem.

– Distúrbio de aprendizagem ou transtorno de aprendizagem: alterações resultantes de processos cognitivos intrínsecos ao sujeito da aprendizagem.

O transtorno de aprendizagem é considerado específico e recebe classificações (dislexia, disgrafia e discalculia) quando não pode ser atribuível a fatores externos como questões econômicas, sociais ou educacionais, desenvolvimento intelectual, problemas motores ou de linguagem ou deficiências sensoriais. Esse diagnóstico só pode ser realizado a partir da entrada da criança na educação formal por uma equipe multidisciplinar.

O maior objetivo na intervenção dos transtornos de aprendizagem é ajudar a criança a adquirir o conhecimento e as habilidades necessárias para compreender e participar ativamente da situação escolar por meio de suas habilidades. Se um aluno não possui uma linguagem oral competente, ele apresenta risco para dificuldades acadêmicas, comportamentais, sociais e emocionais. Normalmente, observa-se em crianças com transtornos de aprendizagem prejuízos no processamento da linguagem, no processamento fonológico, no processamento visoespacial, na velocidade de processamento, na memória e atenção e na função executiva.

Uma boa avaliação e um planejamento adequado para tratar transtornos de aprendizagem devem envolver os pontos fortes e fracos da criança e/ou adolescente e objetivos semanais, mensais e anuais. Deve-se, também, estabelecer quais estratégias, canais sensoriais e recursos cognitivos serão utilizados de forma prioritária para garantir a compreensão das atividades e as explicações.

1. Berninger V. W., May M. O. M. “Evidence-based diagnosis and treatment for specific learning disabilities involving impairments in written and/or oral language”. J. Learn. Disabil. 2011;44(2):167-83.

2. Ciasca, S. M. Distúrbios de aprendizagem – Proposta de avaliação interdisciplinar. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2003.

3. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Sistema Nacional de Educação Básica – Saeb, 2005. [acesso em 20 de abril de 2012]. Disponível em http://www.inep.gov.br/.

4. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Prova Brasil, 2007. [acesso em 20 de abril de 2012]. Disponível em: http://www.inep.gov.br/.

5. OECD, C.f.E.R.a.I. “Preliminary Synthesis of the Second High Level Forum and Learning Sciences and Brain Research: Potential Implications for Education Policies and Practices. Brain Mechanisms and Youth Learning”. OECD Report, Granada, Espanha. 2001c.

6. Pantano, T., Zorzi, J. Neurociência aplicada à aprendizagem. São José dos Campos: Pulso Editorial; 2009.

7. Snowling, M.; Hulme, C. The science of reading: A handbook. Oxford, Reino Unido: Blackwell. 2005.

8. Zorzi, J., Capellini, S. Dislexia e outros problemas de aprendizagem. São José dos Campos: Pulso Editorial; 2008.

ESPECIALISTA:

Telma Pantano

PsicopedagogaFonoaudióloga e Psicopedagoga do Serviço de Psiquiatria Infantil do Hospital das Clínicas.

Tags

Leave a comment

X